20 May, 2007

A Pitanga!

Antes de escrever sobre a Pitanga, vou só contar-vos o que me aconteceu hoje e que está relacionado com a imagem que coloquei neste artigo. :-)
----
Esta bolinha de pêlo “caiu” aos meus pés hoje. Depois de um dia de trabalho a lidar com scripts diabólicos, quando saio do gabinete aquilo que mais gosto de fazer é caminhar um pouco pelos jardins da UW, ver os pássaros, os esquilos a saltitar de um lado para o outro quando de repente olho para o chão e ao longe vejo o que me parecia uma pedra. À medida que me fui aproximando percebi que a pedra tinha penas e um minúsculo bico. Era um pássaro bebe! Deve ter caído do ninho, com certeza, e estava ali imóvel. Fiquei logo em pânico sem saber o que fazer. Olhei em volta para ver se alguém parava mas todos olhavam e seguiam caminho. “Estou feita! Nao posso deixar o animal aqui!" pensei eu. Mas eis que surge um rapariga por trás de mim e me pergunta o que é que se passava, viu-me assim inclinada e pensou que eu não estava bem. Ficou totalmente surpresa qd eu lhe mostrei o baby bird ao meus pés! Ela disse logo que havia um veterinário ao pé da casa dela e que o podia levar lá. Ela agarrou nele, eu tirei um dos meus tupperwares de almoço, aquele onde levo a salada e que estava limpo, e metemos o passaro la’ dentro. Ele não gostou lá muito da caixinha e voou (imaginem as nossas expressões de espanto quando vimos a bolinha de pêlo a voar!) em direcção ao chão. Coloquei a minha mão à frente dele e ele saltou para a minha mão e com o bico cumprimentou-me várias vezes. Foi dos momentos mais ternurentos que tive com um pássaro e mais longos também. Coloquei-o na caixa, e a rapariga levou-o. Nunca mais os vi, mas espero que ambos estejam bem.

----

O Professor Ed tem um cão, ou melhor uma cadela, que é um amor de criatura!
E perguntam vcs: quem é o Professor Ed e por que é que a cadela é importante?

A ideia de escrever um artigo sobre a cadela, vamos lhe chamar Pitanga - sempre achei que este nome é um bom nome para se dar a um animal de estimação, como uma cadela, por exemplo - dado que não sei o nome verdadeiro dela, já muitas vezes tinha passado na minha cabeça.

Os episódios que a Pitanga nos proporcionou desde que as aulas do Professor Ed começaram foram bastantes e muito sui generis. Por isso resolvi partilhar os mais memoráveis com vcs! E para vos dizer que eles aqui tratam os animais de estimação (pets) como membros da família, muito diferente do modo como são tratados no nosso país, no nosso Portugal e salvo aqui as excepções, porque as há e ainda bem!!

No 2º andar do meu edificio, onde estao os gabinetes do Departamento de Ciências da Terra, um dos professores traz sempre o cão para a UW e o cão tem o seu nome na porta do gabinete também! E esta hein?Chama-se Scooter e assim que conseguir tiro uma foto dele ao pé da porta do seu gabinete. ;-)
Eu adoro cães, gosto muito, mesmo muito (infelizmente não posso tê-los... ainda!) e talvez repare melhor na Pitanga do que qualquer outro aluno que lá está.
Muitas vezes ao observá-la e ver as acções dela numa aula onde se discutem assuntos científicos, dou comigo a observar também as reacções dos outros alunos presentes e são as mais diversas e diferenciadas possíveis, vcs nem imaginam!

Conhecemos a Pitanga e o Professor Ed no início do Spring "quarter", i.e. o 3º trimestre, o da Primavera. Os alunos lá no departamento são livres de se inscreverem nas cadeiras que querem, conforme o leque oferecido pelo departamento nesse trimestre. Naquele "quarter" havia uma oferta que me chamou logo à atenção: Discussão do 4º relatório do IPCC, i.e. the IPCC 4th Assessment Report. O IPCC é o Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas. Este relatório tem vários capítulos e o Professor Ed, envolvido nestas questões, resolveu puxar os alunos para uma discussão mais científica, fomentar o pensamento, a opinião, a capacidade de avaliação dos diferentes assuntos investigados (e são muitos acreditem!), ou seja, formar os estudantes nesta área. Tivemos diferentes convidados responsáveis por apresentar os diferentes capítulos, conforme o assunto que iria a ser discutido. E, presentes, não estão só os alunos de "Atmospheric Sciences", estão também alunos do "Department of Earth Sciences" e da "Oceanography School", que também é um departamento da UW, e outros Professores marcaram presença.
Mas a presença mais marcante é mesmo a da Pitanga ;-) principalmente nos dias que antecedem a discussão dos capítulos, por que são dias em que o Professor Ed ou um convidado apresenta os pontos mais importantes do capítulo que irá ser discutido.
Lembro-me do 1º dia como se fosse hj :-) quando entrei na sala de aula do 3º andar e vejo um cão lá dentro! "Mas o que é isto??", pensei de imediato, "Um cão numa aula?? Estes tipos não estão bons da cabeça!!" concluí.:-))
Arranjei um lugar e sentei-me com as minhas folhas de rascunho e o lápis em cima, pronto para tirar notas. Não demorou muito até que a Pitanga chegasse ao pé de mim, e eu lhe afagasse a cabeça ao mesmo tempo que a cumprimentava sussurrando: “Hello young lady! How are you today?
” e ela abanasse a cauda com tanta forca que começou a bater na cadeira do meu vizinho da frente produzindo um som oco do género toc-toc-toc. O rapaz olhou para ela, depois para mim e sorriu.
A Pitanga é uma cadela Labrador preta. Grande e corpulenta, típico dos cães desta raca. Tem 3 coleiras de metal, e duas das coleiras têm uma medalhinha, uma com o número de registo e a outra, em forma de osso, ainda não consegui ver o que tem escrito atrás.

--

Os americanos, pelo menos aqui na nesta zona (nao posso falar do país todo, por que é bastante grande e não conheço!), arranjam muitos os cães. Várias coleiras, com chapas pequenas de várias cores, lencinhos ao pescoço com os mais variados motivos: riscas, cornucópias, etc, e os cães mais pequenos tem ganchos na cabeça e por aí adiante! ;-)

--

A Pitanga já não é nova, i.e tem alguns anos a avaliar pelos bigodes brancos que apresenta no focinho. Naquela aula ela cheirou-nos a todos (há que fazer o reconhecimento do pessoal!) e demorou mais naqueles que traziam comida - esta aula é em plena hora de almoço: das 12:30 às 13h50, e é normal as pessoas levarem o almoço para as aulas ou reuniões e comerem na sala. Ninguém diz nada e todos respeitam, afinal é hora de almoço!
Às vezes penso que a Pitanga deve andar de dieta, rigorosa! dado o frenesim que em ela fica quando vê/ouve/cheira alguém a comer! Nem vos passa pela cabeça!:-)

Uma das situacoes mais memoráveis da Pitanga foi quando, numa das aulas de apresentacao de um capítulo, eu levei pedacitos de um bolo de chocolate que tinha feito no dia anterior, para mordiscar na aula. A 1ª ronda que ela fez, cheirou algo, mas nao se demorou muito ao pé de mim, haviam outros estudantes que também levaram comida e ela foi direitinha a eles. Passado algum tempo, certifiquei-me que ela estava deitada ao pé do dono e tiro da mala 2 quadradinhos do bolo de chocolate. Nao fiz muito barulho, mas o suficiente para ela se levantar, atravessar entre cadeiras as 3 filas que nos separavam e vir direitinha a mim. Apanhou-me mesmo com a boca na botija, como se costuma dizer! Os cães têm um faro extraordinário. Sentou-se nas patas traseiras, mesmo à minha frente, com as orelhas um pouco puxadas para cima – os Labradores nao levantam as orelhas como os cães da raça Pastor Alemão - e aquele olhar de quem diz: “Não te esqueças de mim!”

Eu, na minha ruindade natural (eheheheh), fingi que não percebi o apelo dela e continuei a mastigar o resto do bolo que tinha na boca e eis que ela tenta uma abordagem mais próxima e como eu estava sentada de perna cruzada, a esquerda sobre a direita, ela coloca o focinho dela sob a minha perna direita, levanta os olhos para mim fazendo de novo o mesmo apelo. Nesta altura eu já tinha terminado os meus pedacos do bolo, limpei as maos, afaguei-lhe de novo a cabeça e acenei um não com a minha. Ela percebeu logo, ainda me deu um olhar triste e voltou para o pé do dono.

Vcs nem imaginam as inúmeras tentativas para obter comida que ela fez ao pessoal. Numa das aulas de discussão, ela ficou uns 40 minutos, sentada nas patas traseiras (mexia-se e vez em quando mas sem tirar os olhos da comida), de frente para um estudante, o tempo todo que ele esteve a comer. Que atitude intimidatória! :-))

Outra das situacoes muito engraçadas que todos presenciamos passou-se com o ponteiro a laser, aqueles que só se vê a bolinha vermelha no quadro. Naquele dia foi o Professor Ed a apresentar o capítulo para discussão e assim que ele pega no ponteiro para nos guiar no texto e na apresentação, vimos surgir a cabeça e o focinho da Pitanga por entre as cadeiras. E aí foi ela, direitinha ao dono, sempre com o focinho levantado a olhar para o ponteiro e ali ficou durante uns minutos em que o Professor Ed falava e gesticulava ao mesmo tempo e o ponteiro de um lado para o outro ao sabor dos gestos da mão. Nunca ladrou, mas simulou saltos para tentar chegar ao ponteiro, provavelmente pensaria que o dono iria brincar com ela ou algo do género.

Até que o ponteiro finalmente é ligado e se vê a luzinha vermelha no quadro branco. E aí é que foi!! A Pitanga deu meia volta e foi para o quadro e a melhor forma de ilustrar o que se passou nos minutos seguintes é imaginar um jogo de ténis onde as cabeças da assistência viram para o lado e para o outro seguindo a bola. Assim se portou a Pitanga: o Professor Ed ia apontando linha a linha e ela, corpulenta, de um lado para o outro, atrás da mesa central, onde só lhe conseguíamos ver a cabeça e o focinho. E ao mesmo tempo que andava de um lado para o outro produzia uns sons esquisitos, parecidos com um rosnar simpático, mas sem nunca ladrar. E ponto máximo, foi quando ela começou ao saltos, sempre de um lado para o outro, a tentar agarrar a pontinha vermelha! ehehehehehheehhe

O pessoal desatou-se todo a rir, e o Professor Ed muito divertido com a situação, começou a desenhar círculos com o ponteiro, no quadro, e a Pitanga passou-se e nós também de tanto rir! Era vê-la primeiro a saltar sempre no mesmo lugar, e depois, apoiou-se nas patas traseiras e fazia círculos com a cabeça! Só visto! :-)))))) momentos destes valeram a pena ser vistos e vividos!!

Foi a 1ª vez que vi um ser humano a pedir licença a um cão para passar , como o Professor Ed fez com a Pitanga, numa aula em que ela não estava tão energética, deitada no meio do caminho e ele teve que passar por cima dela. Ouvimos todos: "Excuse me - don't move!" :-))

É difícil explicar o amor pelos animais, mas é surpreendente vê-lo a ser demonstrado!

:-)***

PS - Foram estes os quadradinhos do meu bolo de chocolate. Super fácil de fazer e muito, muuuito gostoso! ;-)

1 comment:

valentina said...

oi suz
estou de passagem ao teu blog... adorei conhecer a pitanga :) morro de saudades do fusco :/ já se sabe!