22 April, 2008

Feliz Dia da Terra! :-)












Hoje 'e o Dia da Terra!


Ja' viram a imagem do Google, com umas arvorezinhas, rochas, uma cascata e ate' uma tartaruga?
Estes senhores nunca se esquecem dos dias mais importantes. It's impressive!

Numa 'epoca em que se fala tanto do aquecimento global, do que devemos fazer pelo nosso planeta, do desenvolvimento sustentavel, de utilizar melhor os nossos recursos naturais, como a 'agua, reciclar, recliclar, reciclar, etc, o que andamos nos a fazer por um planeta melhor? E pondo a hipotese de que podemos ser um bocadinho preguicosos :-), qual 'e a nossa contribuicao para um mundo 'individual' melhor?

Entao va', pessoal, toca de calcular a vossa Carbon Foorprint (o website esta' em ingles) - que nao 'e mais do que a pegada que deixamos no nosso planeta Terra, 'e uma medida da quantidade de gases com efeito de estufa que produzimos, as unidades vem em CO2:

Carbon FootPrint

Eu tenho vindo a alterar o meu estilo e adapta-lo ainda mais desde que cheguei aqui.
Seattle 'e uma cidade verde, ate' na mente! :-)

As minhas unicas perturbacoes sao: a reciclagem de plasticos - eles ainda nao reciclam todos os plasticos como nos ja' fazemos em Portugal, o que nao deixa de ser curioso, vcs sabem la' a quantidade de plasticos que existe neste pais!; e a quantidade de agua e energia gasta na famosa operacao LAUNDRY! hehehehe.. so' mesmo visto, os americanos (e so' conheco os daqui) fazem quase uma maquina de roupa diaria e depois secam-na na outra maquina - ao fim de 1 ano imaginem so' a quantidade de 'agua e energia desperdicada!
(fora as luzes das casas quase sempre acesas durante toda a noite... eles alegam medida de seguranca)
'E uma mentalidade dificil de mudar, apesar de haver informacao por todo o lado, disponivel a toda a gente!
'E preciso tempo, paciencia e muita diplomacia para fazer ver que existem habitos mais saudaveis! Mas o mais importante 'e nao desistir.

Eu ando 'doidinha' para plantar Erva Cidreira - Lemon Balm - para poder apanhar as folhas e fazer o meu chazinho do qual sou 100% fa, e a casa onde moro agora tem arvores e bastante espaco na parte da frente para plantar, o problema 'e que a Primavera (neste caso especifico, as sementes nao gostam de solo frio) tarda em chegar.... no fsm passado nevou em Seattle, e estamos em meados de Abril!

As minimas andam nos 4C, maximas de 11C... qual aquecimento global!!
Estamos 'e a arrefecer, caramba! eheheheh
(quando aqui cheguei ouvi inumeras vezes que 'e raro nevar em Seattle... ja' 'e preciso duas maos para contar as vezes que ja' vi nevar aqui!).

E o frio ja' produziu estragos.. os produtores de cerejas dos estados de Washington e de Oregon, coitados, estao muito aflitos para proteger as suas 'arvores e nao perder as colheitas, 'e que o frio que lhes tocou 'a porta foi de graus negativos, em Celsius.

Volto em breve!

Um beijo {**

19 April, 2008

A minha 1ª Fobia... electrónica!

Estamos na Era Electrónica/Informática e os computadores revolucionaram o nosso mundo por completo!

Eu sou daquelas que já não consigo viver sem a Internet, passo o dia todo em frente a um pc e à noite faço o mesmo, quando não tenho Tango, claro! ;-)

Resolvi então enfrentar a minha realidade - estou dependente da net.

Embora consiga passar algumas horas sem ela, os meus pensamentos acabam sempre na navegação online, pelos mais diversos motivos, sempre construtivos:
pesquiso sobre os meus programas, sobre o meu trabalho, sobre perspectivas de futuros empregos, sobre a saúde, sobre como ter uma vida mais saudável, sobre como o nosso organismo e os nossos órgãos funcionam, sobre terapias alternativas, sobre culinária principalmente vegetariana e/ou saudável, receitas, receitas e mais receitas, sobre esoterismo e espiritualidade.
Leio muito... na Internet :-)
Compro muito, pela internet, com uma taxa de sucesso que deve rondar já os 90%, contribuindo ainda mais para a minha natural 'preguicite' de ir às compras, principalmente no que diz respeito a compras que não envolvam supermercados - é uma alegria ver as cores dos diferentes vegetais e frutas e isso eu não dispenso, mas agora tudo o resto.... roupas & afins.... não tenho mesmo paciência, a não ser que seja para outros de quem sou MT chegada.

Estou cada vez mais eu, muito virada para o que sinto, penso, sendo cada vez mais fiel ao meu valor, goste quem goste ou não.

Por mês, só a título de curiosidade, devo ver 1 a 2h de televisão, máximo dos máximos!
É incrível como as coisas mudam!

O mais engraçado é que ainda não ouvi falar em doenças da Era Informática.
Já existem? ou não tenho andado a navegar com cuidado?

Eu tenho uma! declarada e identificada por mim, é por isso que vos escrevo.

Não se se acontece com vcs também, mas a quantidade de noticias ruins que recebo via email é elevada! Tão elevada que até assusta. :-(

Existem vários tipos de email: uns são directos, outros começam simpáticos e acabam terrivelmente mal e outros deixam as mensagens nas entrelinhas, supondo que o destinatário as consegue identificar e ainda existem aqueles cheios de reticências! Estes então tiram-me do sério... raramente os termino de ler, pois não entendo o que as reticências querem dizer!
Às vezes ainda penso, se calhar as reticências são porque não têm vontade de escrever, mas para quem recebe é altamente frustante, digo-vos!
Os que me assustam mais são poderosos, dou comigo a ter suores frios, tremer muito, chão a rodar e coração muito acelerado. Resumindo: pânico!

Existem certos emails que demoro uns dias a abrir, que pode ir até 1 semana. Houve um que me esqueci completamente de o abrir.
Portanto decidi nomear este meu medo dos emails com um nome pomposo:
Email Phobia! :-D

Por isso, deixo aqui um apelo, como escrever emails é mais fácil, não se está frente a frente, é uma maneira um pouco... fraca de resolver seja o que for, de esconder a verdade e os verdadeiros sentimentos, nunca sabendo os verdadeiros motivos da pessoa que envia o email, pensem duas vezes nas consequências que o mesmo irá ter na pessoa que o recebe.
Pensem se gostariam de receber algo assim, pensem que nem sempre aquilo que parece é! Não julguem precipitadamente pela vossa cabeça, existem no mundo pessoas mesmo boas, de bom fundo, sabiam? por mais incrível que possa parecer.
Lembrem-se que se realmente queremos ajudar e contribuir com algo bom na vida dos outros, devemos escrever construtivamente e de modo positivo, só assim o outro evolui (e nós próprios também!). Temos que nos superar e dar dignidade às nossas acções!

E aqui menciono todos os que me escrevem, salvo as raras excepções, que essas sabem bem que não estão incluídas neste rol, pois a consciência assim lhes diz :-)... se eu demorar a responder, já sabem - probabilidade elevada de terem feito estrago! ;-)

Ando mesmo selectiva nesta 'cena' dos emails. Estou em modo de protecção, ou como lhe queiram chamar.

Antes de me despedir e já altamente consciente da minha Email Phobia :-D, quero deixar aqui um agradecimento especial a todos aqueles que têm sempre, sempre uma palavra de carinho para me dar, mesmo quando a vida deles também não é fácil. Vcs têm sido FORMIDÁVEIS!

Um beijo {**


PS - Hoje comi sushi vegetariano pela 2ª vez. A 1ª vez foi ontem. Estou completamente addicted!
Durante a noite até sonhei que estava a comer Sushi, ehehehe, vejam lá! já pesquisei receitas na web e tenho em casa os ingredientes, amanhã sai Sushi feito por mim: Oh la la!

14 April, 2008

Fases da vida que se repetem... N vezes!!

Quando li mais esta "strip" de um dos meus websites favoritos, não consegui resistir :-D... tenho que colocar no blog!
Já perdi a conta de quantas vezes me senti assim.
O melhor de tudo é saber que não estou sozinha, por acaso até acontece a muitos, mesmo muitos estudantes!
E cada vez que queremos contornar a situação e dizemos: "Da próxima vez isto não se vai repetir!", mas acontece sempre algo que nos desvia do caminho certo e a próxima vez não sabemos bem quando é... mas um dia será!
Temos que ter fé! ;-)


mais um dia na vida daqueles que serão, num futuro próximo.. Grandes Cientistas ;-)


Beijo com sabor a Dark Chocolate with Crystallized ginger pieces {**
(é tão Boooooom!)


PS - quando o autor desta banda desenhada esteve aqui na UW, ele confessou que recebe muitas sugestões sobre os assuntos que deve escrever e desenhar. Palpita-me que deve ter recebido um número assustadoramente grande sobre este tópico dos deadlines para as conferências ;-).

10 April, 2008

Socorro! querem arranjar-me um marido!

E cá estou eu de novo para partilhar com vcs mais uns episódios divertidos da minha vida ;-)
Até queria escrever da minha vida aqui, em Seattle, mas parece-me mais apropriado e verdadeiro escrever do início dos meus 30 anos.

Estava aqui muito indecisa quanto ao título que devia dar a este artigo, sem provocar ataques cardíacos ou de susto, no pessoal que me conhece e que me acompanha, então resolvi dar-lhe este que traduz literalmente o primeiro pensamento que invade a minha mente cada vez que oiço a palavra casamento... ;-)

A minha família nunca escondeu o desejo de me ver casada, o casamento da filha é muito importante.
Há uns tempos atrás, já eu cá estava, a minha mãe e o meu irmão uniram-se numa torcida para me arranjar um marido, mas fazendo as coisas como deve ser, primeiro era preciso encontrar um homem "decente"... e isto ainda durou uns tempos, apesar dos meus protestos e dizer que nem estava para aí virada, pois estou completamente IN LOVE pela ciência, não penso em mais nada a não ser no trabalho.... minto, até penso, agora penso na dança e no movimento "Show me some leg" que eu lancei junto das minhas colegas tangueras e que já está a ter efeito.... mas fica para outro artigo ;-)
Foi o chefe da família, o meu pai, a pôr ordem no galinheiro:
"NÃO SENHOR!!! A Xanita tem que se doutorar primeiro, dedicar-se de corpo e alma ao trabalho dela, e depois quando voltar........ logo se vê."
E aqui quase que o imaginei no seu melhor "job" de relações públicas, a consultar a sua agenda, daqui a uns anos, e dizer: "Bem, vamos lá ver então, o que aqui os meus contactos me dizem acerca do um bom candidato para a minha Xanita".

[Mas... o que é um bom candidato? como se define?]

E entro eu em novo período de calmaria, com a família mais conformada em esperar "alguns anos".
Pouco tempo depois mudo de casa aqui em Seattle.
E sabem lá onde vim parar! É que estes meus amigos (já falei deles num outro artigo) também andam disfarçados (mal!) de Cupidos e vcs nem imaginam o estado excitado em que ficam quando vêem a hipotese de um "boy-friend" no horizonte!
Eu separei de propósito a palavra para referir um amigo do sexo masculino.

A 1ª vez que me apercebi disto, que eu estava completamente a "leste do Paraíso", foi no jantar de comemoração da graduação do meu amigo Xavi, em que eu cozinhei o jantar - foi feijoada (estava uma delícia!).
Ele chama um dos melhores amigos dele, o Dani, solteiro, para se juntar à festa.
Assim que ele chegou, juntou-se tudo na cozinha a conversar enquanto a feijoada apurava.
O Dani é mais baixo que eu, a cabeça dele dá-me pelos meus ombros, assim para o moreno, um bocado eléctrico, sorriso aberto e falava comigo como se já me conhecesse há séculos..... coisa que desde logo estranhei, além de ter percebido que era mais novo que eu.
Fomos para a sala e passado uns minutos eu voltei à cozinha para desligar o fogão e quando regresso, o Dani vira-se para mim e sem meias medidas diz-me qualquer coisa deste género:
"Suséna, vou dar uma PARTY em minha casa, moro ao pé de tal e tal (mora ao pé do meu dentista), no tal dia, às tantas horas e gostava muito que viesses! Vamos jogar Trivial Pursuit versão STAR WARS."

Bem... vcs sabem lá o esforço que fiz para não me rir, e apresentar uma cara .... decente! :-D

A informação foi tanta e num tão curto espaço de tempo, que a única coisa que retive naquele momento foi a versão do Trivial Pursuit, que é um jogo que gosto muito.
E respondi: "versão Star Wars?" e ele "Sim, sim! Só sobre os filmes!" o meu pensamento a seguir foi qualquer coisa do género "Made in... America".
Enquanto esta conversa decorria, o meu amigo Xavi, atrás do Dani, fazia que sim com a cabeça e ainda acrescentou que o ambiente era muito bom e que ele estava a pensar ir também, e uns momentos mais tarde a mulher dele veio ter comigo a dizer para eu ir, que iria gostar e que era uma oportunidade boa... pois ela gostava muito do Dani... e por aí fora!

Ouvi muito calmamente todos os argumentos em relação à festa versão Star Wars, se fosse na altura do Halloween, provavelmente teríamos que ir mascarados :-), e acabei com a festa: "Foi muito querido da tua parte convidares-me, mas nesse dia, a essa hora, tenho o meu tango, e é um Social Dance, não posso faltar."
E não podia mesmo, porque andei a convencer os meus colegas a irmos todos, trabalho que durou 1 semana e meia, e o resultado foi uma noite altamente!

E o assunto morreu ali... até ao dia Internacional da Mulher em que chego a casa com um ramo de flores (que eu própria comprei para mim! os americanos não sabem o que é esse dia...) e quase que a casa vinha abaixo quando eles viram as flores. E aqui o 'vinha abaixo' é no sentido literal, pois puseram-se aos saltinhos!
e mais umas outras deste género.

Já estou a ver o dia em que um dos meus colegas de Tango me der boleia para casa ou para as aulas.... tenho o vestido de noiva quando voltar! :-D

E como não há coincidências nesta vida, a minha conta do clix foi "invadida" por emails de noivas, bebés, maternidade e sei lá o que mais, que tive que apagar tudo, porque nada realmente me interessava.

Mas dei comigo a pensar sobre isto.
Por que será o casamento tão importante? Que poder é este?
Será que é por eu já ter 30 anos e ser solteira?
Será o efeito dos 30 nas pessoas que estão mais próximas de mim?
Parece que tem mais efeito neles do que em mim, porque eu nunca me senti tão bem como estou e confesso, assim em jeito de segredo, que me assusta só o facto de pensar em dividir o meu tecto com alguém por tempo indeterminado, não ter o sofá só para mim (o que me faz lembrar imediatamente das corridas que eu e o meu pai fazíamos para conseguir um lugar na sala quando morávamos em Cpº de Ourique) e este silêncio que me traz muita Paz, poder de reflexão e de decisão e sem o qual já não consigo passar... enfim, coisas que realmente aprecio e que dão TODO o sentido à minha vida.

A verdade, quer queiramos quer não, é que somos programados, desde pequenos, para casar e formar família, e a nossa sociedade hoje ainda não aceita quem segue um rumo diferente.
Eu não sei se terei um rumo diferente, mas não vou fazer nada contra a minha vontade só por ser o socialmente correcto, ou para calar as más línguas... e explico: ainda há muito boa gente, da minha geração mesmo, que acha que ser solteiro é uma espécie de maldição, há um olhar diferente e à medida que o tempo passa parece que surge em nós uma pressão para arranjar alguém... depressa.
Abandona-se o coração... e é nele que está mesmo a escolha, a escolha de alguém bom para nós.
E aqui o Bom depende dos nossos valores, daquilo que consideramos mesmo importante.

Lembro-me de uma senhora (que nunca me viu na vida nem mais gorda nem mais magra) que aqui há precisamente 1 mês atrás me leu a Aura, e me perguntou várias vezes "are you in a relationship?" e depois lá explicava o porquê da pergunta, que não vale a pena entrar em detalhes aqui, estas conversas esotéricas que ninguém entende são discutidas em círculos fechados com pessoas ainda mais esotéricas ;-), e no final lança a pergunta cuja resposta é dificílima de se dar:
"Afinal, o que é que a Suséna procura num homem?"
depois de uns segundos de silêncio, em que todo o tipo de características masculinas me passava pela cabeça mas nenhuma ficava, e ela me olhava com aquele olhar de quem diz "I know!" e só me saiu "Oh God!that is a tough question!"... ela recosta-se novamente na cadeira e com um sorriso nos lábios diz: "A Suséna procura um homem que dê, que saiba dar, que saiba partilhar de e com o coração, que não saiba só receber."
Ao princípio todas aquelas palavras me pareceram vazias de conteúdo e sem muito sentido, mas depois de pensar um pouco, as peças do puzzle uniram-se!
Por que é que as minhas relações anteriores, namorados, amigos/as, conhecidos/as não deram certo? exactamente por isso, porque eu estava a dar e não receber, e receber, para quem dá, faz uma diferença brutal e vcs sabem bem que sim!

Somos ou não somos mais felizes quando damos, quando partilhamos algo bom? quando vencemos as nossas próprias barreiras? é delicioso, eu SEI, eu vivo isso quase todos os dias!

Ver um homem a partilhar, a dar de e com o coração, a lidar consigo próprio é algo Maravilhoso que me rende completamente.... e ela tinha razão!

Até ao próximo. Um beijo.

01 April, 2008

Na cadeira do.... dentista :-) parte 1

Depois de uma longa ausência, sem escrever, consequência de muita preocupação, de muito nervosismo, de muitas noites mal dormidas, de noites não dormidas e passadas a trabalhar, de muita pressão, todos gerados pela vida dupla que levo desde que cheguei aqui (em Agosto vai fazer 2 anos) em que metade de mim vive aqui e a outra metade vive lá, no meu país, como se costuma dizer com uma perna aqui e a outra em Portugal;
hoje, depois de mais um artigo sobre parameterizações do CMT em modelos de nuvens ter sido digerido, pouso o meu bloco de notas na secretária, mudo-me para a minha cadeira IKEA :-), coloco o portátil no meu colo, como a última tirinha da tablete de DAGOBA Lavender: dark chocolate, lavender and blueberries biológico ;-) (é tão BOOOMM, é o meu chocolate preferido!), e os meus dedos invadem as teclas do teclado, completamente guiados pela ideia luminosa que acabei de ter: hoje vou escrever sobre dentistas!
ou melhor :-) sobre as minhas visitas aos dentistas americanos.

Vai ser uma escrita dividida em 3 partes, em 3 artigos, para os tornar curtos e fáceis de ler, pois eu mesma, hoje em dia, tenho alguma dificuldade em ler artigos muito compridos na net, inclusive os meus próprios 'posts' aqui no blog! (shame on me! hehehe)

Esta imagem foi tirada por mim no Pike Place Market, o dente está mesmo lá pendurado e a palavra "Gentle" deixa adivinhar muita coisa.....

Se há médico que conheço desde muito pequenina é mesmo o dentista.
E desde que aqui cheguei já fui a uns tantos, por causa dos meus problemas dentários e vale bem a pena partilhar estas experiências!

Passei por todo o tipo de situações mais incríveis que vcs podem imaginar, e sei que muitos também têm histórias mirabolantes para contar, mas foi aqui que percebi que somos um bocadito mal tratados em muitos dos consultórios em Portugal. Não digo em todos, aliás porque a excepção faz a regra e ainda bem que existem excepções, que sugerem médicos com consciência e sentido de responsabilidade no trabalho que desenvolvem sobre o doente.

Vamos lá começar: (follow me)

a 1ª vez que fui ao dentista aqui em Seattle foi há 1 ano e mais qualquer coisa, em meados de Outubro de 2006.
Um tratamento de canal inacabado, num molar superior, deixou a infecção propagar-se.
E eu, super fã do cházinho bem quentinho, vi estrelinhas no sentido literal quando a infecção deu de si!

Bastante assustada, telefonei para os meus contactos e no dia seguinte, bem cedo, fui visitar a Emergency of the School of Dentistry da UW, exactamente como o nome diz, dei entrada nas Urgências de Estomatologia.

Depois de uma 1ª parte a preencher papelada e uns 3 questionários de um lado e do outro, onde um deles (lembro-me perfeitamente) era para assinalar as doenças que já tínhamos tido, ou estávamos a ter, numa lista tão pormenorizada que me deixou muito surpresa.... mas desta vez não omiti nenhuma informação, o que conduziu a uma situação, ao mesmo tempo, hilariante e 'odd' que vos conto a seguir. :-)

Vieram chamar-me à sala de espera, um médico, apresentou-se e depois do nome disse que era estudante do último ano do curso. Eu pensei logo para mim "Isto hoje promete!".
Entro numa sala cheia de divisões, como se vê nos filmes americanos, imaginem uma sala enorme, com divisórias a formar pequenos compartimentos e dentro de cada compartimento uma cadeira de dentista e todo o aparato de aparelhos necessários às intervenções. Havia muita gente na sala, quase todos os compartimentos tinham uma pessoa deitada na tal cadeira e várias de volta dela.

Indicaram-me a minha. Sentei-me e esperei. Vieram entregar ao médico os meus questionários. Entretanto ele falou comigo, perguntou-me como me sentia e do que é que eu queixava. E eu lá expliquei a situação e dei todas as informações relativas ao dente.
Chega uma nova pessoa, um rapaz novo. Apresenta-se: aluno do 1º ano do curso. Eu fiquei logo curiosa para saber quais eram as tarefas dele. Diz-me que ele é o encarregado pelos procedimentos iniciais: medir a temperatura e a tensão arterial.
A tensão arterial estava alta, pois eu estava bastante nervosa com a situação e a temperatura interna estava baixa, andava pelos 35.5ºC mais grau menos grau :-).
Ele olha para mim muito sério, depois de olhar várias vezes para o termómetro e diz-me qualquer coisa do tipo "tem uma temperatura muito baixa, tem a certeza que se sente bem?" ao que eu respondi "sim, mas sinto dor no dente" e depois ri-me ao pensar que o rapaz poderia estar com medo que me desse o 'badagaio' ali mesmo! :-D

Enquanto esta cena decorre, o médico do último ano de curso lia, atrás de nós, as minhas informações sobre as doenças e depois do "caloiro" ter terminado, vira-se para mim, com um olhar muito curioso em direcção ao meu pescoço e pergunta-me o que é que eu tenho na tiróide. Eu como na altura não sabia dizer nódulos em inglês, expliquei o que eram, mas nem consegui terminar, pois ele parecia que tinha bicho carpinteiro, não parava quieto na cadeira, sempre a olhar para o meu pescoço e interrompeu-me dizendo "pois tem, pois tem! são e nodules! Eu estou a vê-los, eu estou a vê-los!!" e levanta-se repentinamente, vai para trás da cadeira, coloca as mãos dele no meu pescoço e começa a contar: "one, two, three! One here, another here, another this side! Yeah, I can feel them!... here, here and here...".
Conseguem imaginar os meus pensamentos? Eram qualquer coisa do tipo "Oh My Goodness, nunca pensei que os meus nodules pudessem colocar um estudante de estomatologia de 5º ano num estado tão entusiasmado!!" e ri-me.

Depois lá se sentou ao meu lado, sempre a olhar directamente para o meu pescoço e fez as perguntas normais relativas ao assunto.

Uns minutos depois estávamos de volta ao problema que me levou lá. Tiraram-me um raio-X, mas antes colocaram em cima de mim uma espécie de colete bem pesado, desde o ombros até às ancas, para me proteger dos raios e só depois accionaram a máquina.
Estiveram bastante tempo a olhar para o raios-X e chamaram o médico supervisor, que o meu caso levantava dúvidas, haviam 2 dentes na mesma situação e um mesmo junto ao outro: um pré-molar e um molar. A questão era: qual deles é que me estava a causar dor, e ambos "desvitalizados" no passado.

Vem o médico supervisor e faz-me as mesmas perguntas que eles e eu explico novamente a situação. Ele dá novas instruções ao meu médico (entretanto, o caloiro foi medir a temperatura e tirar a tensão arterial a outros doentes que entretanto chegaram), e dá-se início a uma série de testes ao frio e ao quente.
Todos eles tiveram resultados negativos, o que dificultou mais a identificação do dente.

Até que um dada altura ele diz que vai reproduzir a situação que originou a dor e buscar um copo com água quente. Mal a água quente tocou no dente.... acho que conseguem imaginar as estrelinhas a apareceram novamente.
Ele rejubilou de alegria!

Vem novamente o supervisor, conversam alguns minutos entre eles e dão-me a sentença final: "preciso de novo root canal procedure - tratamento de canal- e eles não fazem isso nas urgências, tenho que marcar consulta para um médico especializado, pois no país deles este procedimento é considerado uma operação e é feita por especialistas em Endodontics, um médico estomatologista normal não faz."

E assim foi. Paguei a consulta e o raio-X e encaminharam-me para a secretaria principal do departamento de Endondotics, onde me informaram que tinha que me inscrever como doente, esperar que me aceitassem como tal, esperar uns 9 meses pela 1ª consulta de diagnóstico e depois mais uns tantos pela operação.
Disse que não estava interessada, era mesmo muito tempo de espera.

O que eu não sabia é que este não era um assunto fácil de resolver, e levei mais de 1 ano para o concluir (fiz a operação no mês passado).

Entretanto, muita água correu debaixo da ponte e eu comecei a explorar as minhas possibilidades de tratamento aqui.

Mas isso deixo para as partes 2 e 3. :-)



Chamomile,Honey & Vanilla tea hugs {**